Regulamento temporada 2017

 

REGULAMENTO DA TEMPORADA 2017 DE CANTO DE PÁSSAROS DA ASSOCIAÇÃO ORNITOLÓGICA DE CONSELHEIRO LAFAIETE - SORLAF

 I. Da Finalidade

 

 

 

1.1. O presente Regulamento tem por finalidade estabelecer as normas e a rotina do Torneio de Canto de Pássaros da SORLAF

 

1.2. As normas e a rotina definidas neste Regulamento serão aplicadas a todas as etapas.

 

 

 

II. Das modalidades

 

 

 

2.1. Serão realizados torneios de canto fibra para Trinca-Ferro, Coleiro, Azulão Verdadeiro, Canário da Terra e canto livre para Trinca-Ferro e Azulão.

 

 

 

III. Da Preparação

 

 

 

3.1. O Torneio deverá ser realizado em todas as suas etapas em recinto coberto, protegido do sol, da chuva e do vento, em ambiente claro, arejado e seguro.

 

3.2. As estacas poderão ser de madeira ou metal e terão seu torno (gancho ou prego) com a altura mínima de 1,40 m e máxima de 1,65 m do chão e um pequeno gancho ou prego a 0,50 m do piso, no qual será colocada a ficha de inscrição.

 

3.3. As estacas serão dispostas em círculo ou retângulo com os cantos arredondados, de modo a que as gaiolas distem entre si 20 (vinte) cm, distância medida pela parte do meio da lateral das gaiolas. Caso se anteveja que não haverá espaço suficiente para colocação das gaiolas em única roda, deverá ser criada uma ou mais rodas internas, atendidas as disposições determinadas para a roda única ou externa.

 

3.3.1. A roda externa deverá ser cercada, de modo a manter o público afastado das gaiolas de, no mínimo, 1,50 m.

 

 

 

IV. Da Inscrição

 

 

 

4.1. A inscrição para as provas se formaliza com a compra da Cartela.

 

4.2. A venda das cartelas será iniciada até as 08:00 h e encerrada às 08:30 horas.

 

4.3. Somente poderão ser inscritos pássaros que atendam às exigências do IBAMA.

 

4.4. A inscrição de um pássaro é entendida como declaração do proprietário do conhecimento deste Regulamento, da concordância com os termos do mesmo e de atendimento integral a todas as exigências, de sua responsabilidade, previstas na legislação aplicável.

 

4.5. Independente do citado no item 4.4, os responsáveis pelo torneio poderão, a qualquer momento, solicitar a apresentação da documentação do pássaro que deverá comprovar o atendimento às exigências legais (penalidade: item 10.11).

 

 

 

 

 

V. Dos Concorrentes

 

 

 

5.1. Todos os pássaros que atendam as exigências legais poderão participar dos torneios, mas só concorrerão à premiação final os pássaros cujos proprietários sejam afiliados à SORLAF.

 

5.2. Não será permitida a participação de pássaros híbridos (cruzamento entre espécies diferentes).

 

5.3. Na roda de Trinca-Ferro só poderá participar a espécie Saltador similis.

 

5.3. Não poderão participar dos torneios pássaros que apresentem cores diferentes do fenótipo característico da espécie (mutação).

 

5.5. Não poderão participar dos torneios pássaros totalmente cegos.

 

5.6. Em caso de dúvida quanto à capacidade de visão do pássaro, a decisão de participação ou não do torneio será tomada pelo Presidente da SORLAF.

 

5.7. Somente poderão participar das rodas os pássaros totalmente virados.

 

 

 

VI. Das Gaiolas e seus Acessórios

 

 

 

6.1. As gaiolas deverão atender aos requisitos estabelecidos na tabela a seguir, entendido que a altura da copa (parte mais alta) de qualquer gaiola, ao ser colocada na estaca, deverá ficar no mesmo nível ou inferior das copas das demais gaiolas (penalidade: item 10.3).

 

 

 

(Medidas em cm)

 

Pássaro

Compr.

Altura

Largura

 

Trinca-Ferro

42,0 a 50,0

39,0 a   45,0

22,0 a   25,0

 

Coleiro

36,0 a   39,0

33,0 a   36,0

18,0 a   22,0

Azulão

 

47,0 a   51,0

 

51,0 a   55,0

21,0 a   23,0

 

Canário   da Terra

42,0 a   46,0

39,0 a   47,5

18,0 a   20,0

 

 

 

Obs:    1. As talas deverão ter espessura máxima de 2,2 mm.

 

2. As gaiolas só poderão ter um fundo e este não poderá ser do tipo banheira que possibilite ficar alagado.

 

3. Embora não se defina matematicamente as formas das gaiolas, estas não poderão fugir ao padrão da maioria colocada nas rodas.

 

4.O número de poleiros citado na tabela constante do item 6.1 entende-se como máximo e incluem dorminhocos, maritacas, de cocho/porta cocho, de bebedouro/porta bebedouro e de banheira.

 

 

 

6.2. Todos os poleiros deverão ser fixos e, tanto quanto dorminhocos e maritacas, não poderão ser afixados nas laterais da gaiola. Os poleiros, dorminhocos ou maritacas, situados a menos de 10 (dez) cm da lateral mais próxima, deverá estar a uma altura de, no mínimo, 5 (cinco) cm da parte inferior do travessão lateral superior da

 

gaiola. Qualquer dorminhoco, ou similar, colocado na direção da maior dimensão da gaiola, não poderá exceder a 10 (dez) cm (penalidade: item 10.3).

 

6.3. Não poderá haver nas partes laterais da gaiola nenhum objeto que bloqueie a visão dos pássaros, tais como, mas sem se limitar a, banheira, porta cocho, cocho, bebedouro e porta bebedouro. Entretanto, para as gaiolas de Bicudos e Curiós admite-se aqueles acessórios, desde que não exceda de 10,0 (dez) cm de altura e nem poderão se situar, a sua parte superior, acima de 55% do fundo da gaiola, (penalidade: item 10.3)

 

6.4. Somente poderá ser utilizada 1 (uma) banheira na gaiola, independente de estar cheia ou vazia. Para a Marcação Final não se admitirá banheira na gaiola. (penalidade: item 10.3).

 

6.5. As gaiolas deverão conter plaqueta(s) de identificação registrando: número da anilha do pássaro, nome do pássaro, nome do proprietário, número do registro do proprietário no Cadastro Técnico Federal - CTF. A plaqueta deverá ser colocada na parte frontal da gaiola em local que não infrinja o disposto no item 6.6. Não será admitido pedaço de papel que possa se soltar da gaiola (penalidade: item 10.3).

 

6.6. Não poderá haver na parte frontal da gaiola nenhum objeto, tal como bebedouro externo, que, ao critério do Chefe da Roda, possa dificultar a visualização ao pássaro e, conseqüentemente, comprometer sua marcação (penalidade: item 10.3).

 

 

 

VII. Da Administração do Torneio e das Atribuições Pessoais

 

 

 

- Do Pessoal

 

 

 

7.1. Representarão a SORLAF durante a execução do torneio o Diretor Arbitral e Diretores especialmente designados para tal fim.

 

7.2. A SORLAFdesignará um Chefe de Roda para cada modalidade.

 

7.3. Cada Chefe de Roda designará um subchefe e fiscais para a roda que comandar, reservando-se aos diretores do clube, citados em 7.1, o direito de impugnação de qualquer elemento escolhido.

 

7.4. O pessoal referido nos itens 7.1 a 7.3 será o responsável pela direção do torneio e deverá ter identificação.

 

7.5. Serão escolhidos pelo Chefe de Roda, entre os proprietários e responsáveis pelos pássaros, Marcadores para registrar os cantos emitidos pelos pássaros. Em princípio todos os citados são Marcadores potenciais.

 

7.6. A SORLAF designará pessoal para a venda das cartelas.

 

 

 

 

 

-Das Atribuições

 

 

 

7.7. As pessoas designadas pela SORLAF para venda das cartelas deverão seguir todas as rotinas previstas neste Regulamento para inscrição dos pássaros.

 

7.8. Os Diretores designados pela SORLAF supervisionarão a realização do torneio, promovendo e assegurando o fiel cumprimento dos itens deste Regulamento, no tocante a anormalidades extra-roda.

 

7.9. Ao Diretor Arbitral caberá dirimir eventuais dúvidas de interpretação e casos omissos deste Regulamento que precisem de uma decisão imediata, bem como servir de apelação, em primeira instância, às decisões dos Chefes de Roda, no que diz respeito à interpretação deste Regulamento.

 

7.10. Aos Chefes de Roda compete gerir a execução do torneio, dentro do âmbito das rodas, seguindo e fazendo seguir, rigorosamente, as rotinas e diretrizes deste Regulamento. O Chefe de Roda é a autoridade no âmbito das rodas, sendo sua a decisão quanto à eliminação de pássaros, confirmação ou não de resultados de cantos assinalados nas cartelas, elaboração das planilhas com os resultados finais e demais providências afins.

 

7.10.1. As decisões dos Chefes de Roda poderão ser revogadas por decisão do Diretor Arbitral e somente deste, quando se tratar de interpretação do Regulamento.

 

7.11. Compete aos Fiscais observar o trabalho dos marcadores; quando solicitado dar “visto” nas cartelas; informar ao Chefe de Roda eventuais anormalidades no âmbito da roda; e qualquer outra atribuição designada pelo Chefe de Roda.

 

7.12. Compete aos Marcadores computar os cantos em cartela apropriada.

 

 

 

VIII. Da Rotina dos Torneios

 

 

 

- Colocação das Cartelas/Pássaros na Roda

 

 

 

8.1. Adquirida a cartela e devidamente preenchida de forma legível, a mesma deverá ser colocada na estaca de escolha do proprietário, entre as disponíveis. Neste momento o proprietário deverá transcrever para a cartela o número da estaca escolhida.

 

8.2. O proprietário de mais de um pássaro deverá observar a colocação dos mesmos, pois não é permitida, até o fechamento da roda após o final da Marcação Classificatória, a permanência de pássaros de mesmo proprietário em estacas contíguas (penalidade item 10.4).

 

8.3. É de responsabilidade do proprietário/responsável acompanhar a mudança de posição das gaiolas durante o andamento do torneio e informar ao Chefe de Roda caso 2 ou mais de seus pássaros fiquem em estacas contíguas, até o fechamento da roda após o fim da Marcação Classificatória, sob pena de eliminação dos pássaros em questão (penalidade item 10.4).

 

8.3.1. Para separação dos pássaros o Chefe de Roda deverá deslocar a gaiola da esquerda em duas posições no sentido horário.

 

 

 

- Fechamento da roda (início do torneio)

 

 

 

8.4. As rodas serão fechadas às 08:30 horas, mediante comunicação aos presentes pelos Chefes da Roda, não sendo possível a colocação de pássaros após este momento.

 

8.5. Quando existir roda interna, logo após o início do torneio, o Chefe de Roda deverá realizar 2 (dois) sorteios: o primeiro na roda interna, para definir a ordem de transferência para a roda externa, a gaiola sorteada será a primeira a ser transferida e as demais seguirão a ordem das estacas, considerando o sentido horário; o segundo sorteio será na roda externa, para definir a estaca a partir da qual as vagas terão prioridade para ser preenchidas, considerando, também, o sentido horário.

 

8.6. Quando da arrumação da roda, decorrente da retirada de gaiolas, deverá ser respeitada, rigorosamente, a mesma disposição das gaiolas do início do torneio, exceto as alterações provocadas por mudanças de roda.

 

 

 

 

 

- Vassourada/Varredura

 

 

 

8.7. Serão eliminados os pássaros que a critério do chefe de roda estejam prejudicando o andamento do torneio,sejam pistando, trincando, enfemeando. sendo comunicado ao proprietário a decisão.

 

 

 

- Marcações

 

 

 

Aqui estão definidos os critérios para marcação por quantidade de cantos, para todas as modalidades. Caso seja realizado marcação por tempo de canto (Marcação Eletrônica), deverá ser observado o disposto no Capítulo XII.

 

8.8. Serão realizados 2 (dois) tipos de marcação, Classificatória e Final.

 

8.9. Em cada marcação as cartelas serão distribuídas aleatoriamente entre os marcadores. No caso de pássaros que, a critério do Chefe de Roda, requeiram Marcador com experiência para o cômputo dos cantos, a cartela poderá ser direcionada.

 

8.9.1. Os proprietários não poderão escolher ou rejeitar o marcador escolhido.

 

8.10. Na hora das marcações todo proprietário, ou representante, deverá estar presente em frente ao respectivo pássaro. Poderá optar por ficar no interior da área de isolamento para acompanhar a marcação, entretanto não poderá torcer ou se manifestar pró ou contra o trabalho do Marcador.

 

8.10.1. Para fazer qualquer observação sobre a marcação do pássaro o proprietário/representante deverá levantar o braço na ocasião em que o problema for verificado e aguardar a presença dos fiscais ou do Chefe de Roda, tomando cuidado para não prejudicar os trabalhos de marcação que estiverem sendo realizados (penalidade: item 10.10).

 

8.10.2. Não serão aceitas reclamações após o encerramento da marcação.

 

8.11. Nenhum proprietário poderá recusar, se convocado, a trabalhar como Marcador, exceto quando ocorrer a marcação de seu pássaro ou por motivo aceito pelo Chefe de Roda. Caso o proprietário tenha mais de um pássaro na roda, cada um deles deverá ter um responsável para, eventualmente, assumir a função de Marcador (penalidade: 10.6).

 

8.12. O proprietário não poderá marcar seu próprio pássaro (penalidade: item 10.5).

 

8.13. A cada 50 (cinqüenta) cantos assinalados o Marcador solicitará visto em sua Cartela.

 

8.14. Em caso de dúvida no resultado da marcação, o Chefe de Roda fará uma análise e se, a seu critério, ficar comprovada alguma irregularidade, o pássaro será remarcado. Este ato será colocado na súmula para conhecimento da Diretoria da SORLAF

 

8.15. O Chefe de Roda suspenderá temporariamente qualquer marcação se algum fato grave ocorrer, reiniciando o trabalho tão logo seja normalizada a situação, depois que, aproximadamente, 30% dos pássaros da roda voltem a cantar.

 

 

 

- Marcação Classificatória

 

 

 

8.16. A marcação Classificatória, em condição normal, será realizada pelo lado de fora da roda, exceto quando não houver a distância mínima de 1,50m entre as gaiolas e algum obstáculo.

 

8.17. A quantidade de pássaros que se classificará para a final, será a seguinte:

 

     Roda com até 60 pássaros – classificam-se 30 pássaros.

 

     Roda de 61 até 150 pássaros – classificam-se 40 pássaros.

 

     Roda acima de 150 pássaros – classificam-se 50 pássaros.

 

8.18. A marcação Classificatória será iniciada às 10:30 horas e terá a duração de 10 (dez) minutos.

 

8.19. Caso seja necessário realizar a Classificatória em várias marcações, antes do início da primeira, o Chefe de Roda deverá realizar sorteio para determinar a partir de qual gaiola será iniciada, sendo as demais gaiolas definidas seqüencialmente, obedecido o sentido horário.

 

8.19.1. Caso exista(m) roda(s) interna(s) a marcação será sempre da externa para a interna, sendo realizados sorteios para cada roda interna, a exemplo do realizado para a roda externa.

 

8.20. Caso um pássaro tome banho na hora da marcação será submetido a uma nova marcação, junto com os últimos a serem marcados. Se o banho ocorrer no último grupo de pássaros marcados ele estará automaticamente classificado para a Final, adicionalmente à quantidade de pássaros prevista para ser classificada.

 

8.20.1. Caberá ao Chefe de Roda definir se o ato de se molhar será considerado banho, para usufruir dos benefícios do item 8.20.

 

8.20.2. Não se aplica ao disposto no item 8.20 o “banho seco”.

 

8.21. No caso de eliminação ou retirada de pássaros classificados para a Final, não se poderá incluir outros, ficando a Final com um número menor de pássaros.

 

 

 

- Marcação Final

 

 

 

8.22. A Marcação Final será iniciada às 11:15 horas.

 

8.23. 15 (quinze) minutos antes da hora prevista para início da Marcação Final o Chefe de Roda convocará os proprietários dos pássaros para retirada de eventual banheira, ficando a critério do proprietário a retirada de verdura, fruta e legume, não podendo ser retiradas quaisquer vasilhas com sementes/rações ou grit mineral (Penalidade: item 10.7).

 

8.24. A definição do ponto de início da marcação será por sorteio. As demais gaiolas serão definidas seqüencialmente, obedecido ao sentido horário.

 

8.25. O tempo de marcação da final será de 15 (quinze) minutos.

 

8.26. Os pássaros deverão permanecer na roda até o término da última marcação (penalidade: 10.9).

 

 

 

- Canto

 

 

 

8.27. O canto ou cantada é o conjunto de notas melódicas, modulado pelo pássaro, caracterizando uma frase musical.

 

8.28. A repetição é a exteriorização da frase musical 2 (duas) ou mais vezes, sem que o pássaro pare de cantar.

 

8.29. Para ser considerado canto o pássaro deverá emitir som, não se limitando a fazer “mímica”.

 

8.30. Na marcação das competições de Trinca-Ferro e Coleiro não serão consideradas as repetições, sendo computado somente 1 (um) ponto cada vez que o pássaro cantar.

 

8.31. A meia cantada ou introdução de canto, será considerada como canto se constituída da seguinte forma:; para Trinca-Ferros com um mínimo de 2 (duas) notas e para os Coleiros apenas 1 nota, desde que de introdução ao canto.

 

 

 

IX. Da Rotina dos Torneios de Canto Fibra

 

 

 

Aplicam-se todas as rotinas previstas para os pássaros virados, prevalecendo, entretanto, os itens a seguir:

 

 

 

- Separação entre as gaiolas

 

 

 

9.1. As gaiolas poderão distar entre si de 20 a 40 cm, sempre medido pelo centro da lateral das gaiolas. A distância a ser utilizada será a mesma para todas as gaiolas e será decisão do Chefe de Roda.

 

 

 

- Horário

 

 

 

9.2. O horário de fechamento da roda será ½ (meia) hora após o fechamento das demais rodas de fibra.

 

 

 

- Marcação

 

 

 

9.3. Os cantos dos pássaros serão computados através de uma única marcação de 15 (quinze) minutos de duração que será iniciada às 11:15 horas.

 

 

 

- Canto

 

 

 

9.4. A “serrada”, mesmo quando não for acompanhada de notas de assovio, será computada como 1 (um) canto.

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

- Penalidade

 

 

 

9.5. Serão eliminados da competição os pássaros que, 30 (trinta) minutos após o fechamento da roda, estiverem desasando ou filhotando, sem cantar. Também, após o mesmo tempo, serão eliminados os pássaros que não estiverem cantando.

 

 

 

X. Das Penalidades

 

 

 

 

 

De Responsabilidade de Aplicação pelo Chefe de Roda

 

 

 

10.1. Após 30 (trinta) minutos do fechamento da roda e até que a última Marcação Final seja concluída, qualquer pássaro, mesmo já marcado, que piar (piar frio, pistar, trincar, piar filhote, chamar fêmea) por 5 (cinco) vezes seguidas, sem cantar, será eliminado, exceto para a modalidade Trinca-Ferro, cujo prazo inicial é de 10 (dez) minutos.

 

10.2. Durante as marcações (Classificatória e Final) da modalidade Trinca-Ferro, ao pássaro que estiver enfemando (espelhando), sem cantar, será dado o tempo a seguir especificado, para que ele volte a cantar sob pena de eliminação. Caso isso aconteça na Classificatória o tempo será de 2 minutos, se ocorrer durante a Final será de 1 (um) minuto.

 

10.3. Será eliminado o pássaro cujo responsável não atenda ao previsto nos itens 6.1, 6.2, 6;3, 6.4, 6.5 ou 6.6 no tempo 10 (dez) minutos.

 

10.4. Caso se constate a existência de pássaros de um mesmo proprietário em gaiolas contíguas, até o fim da marcação Classificatória, sem que o proprietário ou responsável tenha avisado ao Chefe de Roda, os pássaros em questão serão eliminados (item 8.3/8.3.1)

 

10.5. Será eliminado o pássaro que estiver sendo marcado pelo proprietário (item 8.12).

 

10.6. Será eliminado o pássaro cujo proprietário ou representante estiver ausente na hora da marcação ou se recuse a trabalhar como Marcador (item 8.11).

 

10.7. Será eliminado o pássaro cujo proprietário não retire da gaiola eventual banheira existente ou retire da gaiola qualquer vasilha de sementes, ração ou grit mineral no tempo concedido pelo Chefe de Roda, antes de iniciar a Marcação Final, para mexer nas gaiolas (item 8.23).

 

10.8. Será eliminado o pássaro cujo proprietário mexa na gaiola sem autorização prévia do Chefe de Roda ou Fiscal (item 6.3).

 

10.9. Será eliminado o pássaro que, mesmo jámarcado, seja retirado da roda antes de concluída a última marcação Final, exceto em casos excepcionais e com autorização prévia do Chefe de Roda. A retirada sem autorização é considerado fato grave e acarretará, também, a eliminação da roda de eventuais outros pássaros do proprietário. O Chefe de Roda deverá anotar o fato na súmula para julgamento posterior pela Diretoria (item 8.26).

 

10.10. Será eliminado o pássaro cujo proprietário reclame com o Marcador durante qualquer marcação (item 8.10.1).

 

 

 

- De Responsabilidade de Aplicação dos diretores

 

 

 

10.11. Será eliminado o pássaro cujo proprietário não apresentar, quando solicitado, os documentos dos pássaros atualizados (item 4.6).

 

10.12. Serão eliminados todos os pássaro do proprietário que não se porte com educação, fineza e cortesia para com os demais participantes e dirigentes do torneio.

 

10.13. Serão eliminados todos os pássaros do proprietário que não atender ao convite para se retirar do ambiente da roda por estar fumando, bebendo/portando bebida alcoólica.

 

 

 

- Itens Gerais

 

 

 

10.14. Qualquer conflito criado no decorrer do torneio (ofensas, desacatos, agressões, etc.), independente da eventual eliminação dos pássaros, o Chefe de Roda ou Diretor do clube relatará na súmula o fato ocorrido para análise e julgamento posterior pela Diretoria da SORLAF.

 

10.14.1. As penalidades irão de advertência (verbal e/ou escrita) a eliminação do proprietário e de seus pássaros do Campeonato, com a perda de eventuais pontos obtidos.

 

10.14.2. Será dado aos envolvidos o direito a ampla defesa.

 

10.15. Terá todos os seus pássaros eliminados da prova e será impedido de participar de qualquer torneio promovido pelo clube, o proprietário que provocar maus tratos a seus pássaros ou de terceiros.

 

 

 

XI. Da Apuração/Premiação/Pontuação

 

 

 

- Apuração

 

 

 

11.1. Os Chefes de Roda deverão observar sempre a regularidade das fichas de marcação.

 

11.2. Na apuração do torneio, em caso de empate entre competidores, haverá o desempate pela seguinte ordem de prioridade:

 

- Pássaro cujo proprietário esteja inscrito na SORLAF;

 

- Pássaro que mais cantou na marcação classificatória;

 

- Proprietário mais idoso (só aplicável quando, pelo menos um, tiver completado 60 anos);

 

 

 

- Sorteio

 

 

 

11.2.1. Os pássaros que terminarem empatados em número de cantos ficarão com os pontos relativos à colocação obtida após a aplicação dos critérios de desempate.

 

11.3. No encerramento do torneio, os Chefes de Roda entregarão a um Diretor o mapa de apuração da modalidade, devidamente preenchido e assinado.

 

 

 

- Premiação nos torneios

 

 

 

11.4. Os pássaros melhores colocados em cada modalidade serão premiados com troféus, independente de pertencerem ou não ao quadro de filiados a associação, no entanto a premiação final só será entregue aos associados.

 

11.4.1. Não será permitida premiação em dinheiro.

 

11.5. Os troféus serão fornecidos pela SORLAF, ficando a cargo destes o tamanho e a forma, sendo:

 

- Modalidade Trinca Ferro Fibra: 05(cinco) troféus;

 

- Modalidade Trinca Ferro Livre: 3 (três) troféus (quando houver mais de 5 inscrições, caso contrário será entregue somente o troféu de 1º Lugar);

 

- Azulão: 3 (três) troféus(quando houver mais de 5 inscrições, caso contrário será entregue somente o troféu de 1º Lugar);

 

- Coleiro: 3 (três) troféus (quando houver mais de 5 inscrições, caso contrário será entregue somente o troféu de 1º Lugar); e

 

- Canário da Terra: 3 (três) troféus (quando houver mais de 5 inscrições, caso contrário será entregue somente o troféu de 1º Lugar).

 

 

 

- Pontuação

 

 

 

11.6. Os pássaros melhores colocados em cada etapa serão pontuados por modalidade, observado o disposto nos itens 5.2, 11.8 e 11.9, conforme a seguir:

 

11.6.1. Todas as modalidades os 30 (trinta) primeiros colocados, sendo o primeiro com 30 (trinta) pontos e os demais, em ordem decrescente, com um ponto a menos para cada colocação.

 

11.7. Caso na cartela não conste o número da anilha da ave, ele poderá ser considerado como não legalizado para efeito de obtenção dos pontos e ser eliminado.

 

11.8. Será considerado Campeão da Temporada 2015, por modalidade, o pássaro que mais pontos acumular durante o Torneio.

 

 

 

XIII. Disposições Gerais

 

 

 

13.1. Aplica-se ao presente Regulamento, no que for cabível, a legislação vigente do Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis IBAMA.

 

13.2. Os horários citados neste Regulamento referem-se ao horário de Brasília – DF.

 

13.3. É terminantemente proibido que as gaiolas das fêmeas fiquem no ambiente das rodas ou em local que possam ser avistadas pelos pássaros em concurso.

 

13.4. Uma cópia deste Regulamento deverá ser disponibilizada pela SORLAF durante a realização do evento, em lugar visível e de fácil acesso, para que todos dele conheçam e não venham alegar ignorância em futuro.

 

13.5. A SORLAF deverá disponibilizar todo o material necessário a realização do torneio.

 

13.6. Não poderão permanecer no ambiente das rodas, mesmo encapado, qualquer pássaro já eliminado e quaisquer outras gaiolas estranhas, em especial, as de fêmeas.

 

13.7. Caso a gaiola de um pássaro em disputa sofra queda da estaca, a ave vitimada terá 20 (vinte) minutos para a sua recuperação fora da roda, sob vigilância de um Fiscal.

 

13.8. O acesso ao interior das rodas se limitará ao Chefe ou Subchefe de Roda ou pessoa atendendo solicitação destes.

 

13.9. Todos os competidores deverão estar atentos e proteger os seus pássaros para que não sejam assustados, não deixando que se aproximem das gaiolas, crianças, animais, pessoas portando chapéus, bonés ou similares, guarda-chuva e outros.

 

13.10. O pássaro que porventura venha a mudar de proprietário durante o decorrer do campeonato poderá ter seu nome trocado antes do término da temporada, desde que a Diretoria da SORLAF seja comunicada por escrito.

 

13.11. Eventuais sugestões ou problemas ocorridos durante o torneio que o proprietário queira relatar à Diretoria deverá fazê-lo por escrito e entregar a um dos Diretores que deverá estar presente nos torneios.

 

13.12. A SORLAF deverá obter toda a documentação necessária à realização do Torneio.

 

 

 

Conselheiro Lafaiete, 11 de julho de 2017.

 

 

 

 

 

RANGEL PAULO RODRIGUES ZEBRAL

 

PRESIDENTE DA SORLAF

 

rodape 
SORLAF - Associação Ornitológica de Conselheiro Lafaiete
Rua Deputado Eli Franco,  nº 23 A - Bairro Angélica
Telefone: (31) 3762-2100. Email: O endereço de e-mail address está sendo protegido de spambots. Você precisa ativar o JavaScript enabled para vê-lo.

Affiliate Network Reviews.
Copyright 2012

©